Petrópolis, 11 de Julho de 2020.
Matérias >> BR-040: obras da NSS
   
  BR-040 é a segunda em roubo de carga

Data: 04/12/2019

 

BR-040 é a segunda em roubo de carga

JANAINA DO CARMO - Redação Tribuna de Petrópolis


Os dados foram divulgados, na última segunda-feira, pelo Instituto de Segurança Pública

A BR-040 é a segunda rodovia do Estado do Rio de Janeiro com mais registros de roubos de carga em 2018. No trecho que faz divisa com Minas Gerais é onde ocorrem o maior número de casos, 152 no total. No outro ponto da rodovia (em especial na Baixada Fluminense), foram 57 registros no ano passado. Os dados fazem parte de um dossiê divulgado, na segunda-feira, pelo Instituto de Segurança Pública (ISP).

A BR-101 (NiteróiManilha) é a rodovia onde ocorreram mais registros deste tipo de crime, foram 470 só no ano passado. Segundo os dados do instituto, 5% de todos os casos de roubos de carga ocorridos no Rio de Janeiro ocorreram nesta rodovia. Em seguida, vem a RJ-085 (que liga São João de Meriti até Duque de Caxias), com 200 registros e depois vem a BR-116 (também na Baixada Fluminense), com 195 ocorrências. A Avenida Brasil fecha o ranking das cinco rodovias com mais ocorrências, com 141 registros.

De acordo com o levantamento do Instituto de Segurança Pública, em 2018, foram registrados 9.182 roubos de carga no Estado. Apesar do número elevado, o ISP informa que houve uma redução de 13,4% em comparação ao 2017. Ainda de acordo com o estudo, a capital concentra 43,8% dos casos e o município de São Gonçalo, 18,5% das ocorrências em todo o Estado.

O vice-presidente da Firjan Serrana, Valter Zanacoli Júnior, demostrou preocupação com os dados divulgados pelo ISP apesar da redução dos números de roubo. Ele pediu ações de inteligência dos governos Estadual e Federal, além da Polícia Rodoviária Federal, para zerar as ocorrências deste tipo de crime. “De fato, sabemos de poucos casos de roubos de cargas às indústrias de Petrópolis, porém, o escoamento de toda a produção das empresas locais segue pela BR-040 até a Via Dutra, sentido São Paulo ou pela BR-040, em direção a Minas Gerais. São registros altos que devem ser investigados pelas polícias e ter ações firmes no combate ao crime. Afinal, a indústria já sofre demais com a enorme carga tributária brasileira e não deveria ter que se preocupar também com a segurança e frete dos seus transportes”, afirmou o vice-presidente.

De acordo com os dados do ISP, as duas delegacias de Petrópolis – 105ª (Retiro) e 106ª (Itaipava) – registraram no ano passado, 23 casos de roubos de carga. Na semana passada, um caminhão de queijo foi roubado por criminosos armados em frente à Rodoviária do Bingen. O veículo e a carga foram recuperados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) abandonados na altura do km 87 da BR-040. Ninguém foi preso na ação. O vice-presidente da Firjan Serrana acrescenta que a segurança é item fundamental para a permanência e instalação das empresas.

“Cerca de 70% das empresas pensam em segurança antes de decidir investir e isso é um grande atrativo para nossa região. Precisamos atuar para que esta tranquilidade permaneça”, pontuou Valter Zanacoli Júnior.


Bairros da zona norte do Rio e comunidades de São Gonçalo concentram maior número de roubos 
 
O estudo sobre roubos de cargas do Instituto de Segurança Pública (ISP) do Rio de Janeiro aponta que as seis áreas com as maiores concentrações do crime em 2018 foram: Bangu, Penha, Vigário Geral, Complexo do Salgueiro (São Gonçalo), Lagoinha e Jardim Miriambi (São Gonçalo) e Porto do Rosa (São Gonçalo). Mais de 31% das cargas roubadas nestas regiões eram de alimentos e 44,9% dos veículos de transporte eram caminhões.
O levantamento mostrou ainda que em 46,6% dos crimes os criminosos usavam motocicletas para realizar o roubo.
Em 58,6% das vezes, foi dada ao motorista a ordem de seguir conduzindo o veículo sem entrar no mesmo e em 75,7% das abordagens, as vítimas reportaram o uso de arma de fogo por parte dos criminosos. 



 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS