Petrópolis, 03 de Março de 2021.
Matérias >> Eleições 2014
   
  Candidatos a Deputado Federal vão gastar mais de R$ 19 milhões na campanha

Data: 14/07/2014

  

Candidatos a Deputado Federal vão gastar mais de R$ 19 milhões na campanha

 

Diário de Petrópolis, Segunda-feira, 14 de julho de 2014

 

Rômulo Barroso

 

 

Os dados não estão completos, mas pelo que já consta no "DivulgaCand", portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que reúne as informações relativas aos candidatos, é possível observar que 11 concorrentes à Câmara federal e que são petropolitanos ou possuem ligação com a cidade vão gastar pelo menos R$ 19,05 milhões. E o valor vai aumentar.

 

Isso porque apenas sete candidatos tiveram essa informação revelada até o fechamento desta reportagem. Seguindo a média do já divulgado, se cada candidato vier a gastar pelo menos R$ 2,7 milhões, o valor total ultrapassará R$ 30 milhões.

 

Entre os já divulgados, os que mais vão gastar são os candidatos do recém-criado partido Solidariedade. Dr. Jeferson Evangelista e Marcelo Lessa (Telemar) vão investir R$ 5 milhões cada um. Lilia Vogel (PSB) e Ramon Mello (PSDB) pretendem gastar R$ 2,5 milhões. Carlos Madureira (PTC) vai usar R$ 2 milhões, enquanto Carlos Sion (PV) despenderá R$ 1,5 milhão. Já Abel de Paula (Psol), até o momento, é que terá a campanha mais tímida: R$ 550 mil.

 

Para que gastar tanto?

 

Para o diretor de criação e coordenador de campanha de uma agência especializada em marketing político, Cadu Senna, para ter uma campanha forte o suficiente para brigar por uma cadeira no Congresso, o desembolso pode atingir R$ 5 milhões.

 

– Os custos variam muito de nome para nome, mas R$ 3 milhões de investimento para deputado estadual e R$ 5 milhões para federal não garantem a cadeira, mas garantem competitividade. Temos que lembrar que são muitos concorrentes – diz ele.

 

O planejamento de campanha contempla a comunicação online, criação de peças publicitárias e aprimoramento da imagem do político para TV, rádio, internet e impresso, que podem custar de R$ 50 mil a R$ 300 mil por candidatura. Além das agências, os candidatos ainda se preocupam com a sua situação em relação à intenção de votos. Uma pesquisa quantitativa pode custar de R$ 20 mil a R$ 100 mil. Se o trabalho for feito pelo viés qualitativo, a pesquisa pode custar de R$ 40 mil a R$ 100 mil. Os valores dependem da abrangência da consulta popular.

 

Declaração de bens

 

Além de quanto vão gastar, os candidatos também informaram quanto possuem. Comparando os dados informados agora com o de outras eleições, é possível ver quem teve crescimento patrimonial e de que maneira isso ocorreu. Somados, eles possuem R$ 7, 235 milhões. Destaca-se na ponta mais alta o candidato Juvenil Reis (PR), que tem R$ 2,5 milhões. Hugo Leal (Pros), Dr. Jeferson Evangelista e Dr. Luiz Fernando (PR) também alcançaram cifras milionárias. Em seguida, há uma grande diferença: apenas Nelson Sabrá (PDT) e Carlos Sion passam de R$ 100 mil. Os demais passam longe disso – com maior destaque Abel de Paula, que fecha a lista com a declaração mais modesta (R$ 15 mil). Nesse item, apenas Carlos Madureira não teve a declaração divulgada ainda.

 

Veja a seguir detalhes das informações prestadas por cada candidato.

 

Nelson Sabrá (PDT): 1277 PRECISA CONFIRMAR

 

O engenheiro civil e ex-professor de matemática Nelson Aristeu Caminada Sabrá, 66 anos, faz parte de uma família ligada ao PDT. Ele próprio já foi presidente do diretório municipal do partido, cargo que hoje é ocupado pelo filho, Jamil Sabrá Neto. Petropolitano, já foi deputado federal participante da constituinte. Declarou possuir R$ 129 mil em bens – 148% de evolução em relação a 2012, quando concorreu a prefeitura e foi quarto colocado. Isso se deve ao crescimento de umas das empresas dele e duas novas contas bancárias. O DivulgaCand ainda não informou quanto o candidato vai gastar em 2014, mas há dois anos ele usou R$ 400 mil na eleição.

 

Dr. Luiz Fernando (PR): 2221 PRECISA CONFIRMAR

 

O cardiologista Luiz Fernando Vaz, 62 anos, é natural de Petrópolis, mas foi candidato a prefeito no município de São José do Vale do Rio Preto, em 1992, conquistando o segundo lugar. Além disso, disputou também duas eleições para vereador e uma para deputado federal por aqui. O maior destaque dele na política é ter sido vice-prefeito de Rubens Bomtempo no atual mandato, em que foi colocado no posto de coordenador de Relações Institucionais. Ele só saiu do cargo para se candidatar a deputado federal agora. A declaração de bens chegou a R$ 1,1 milhão – em 2012, eram R$ 655 mil. O crescimento de 67,9% se deve a compra de dois imóveis, abertura de contas em diferentes bancos, a cotas de capital em empresas na cidade e a reserva de uma quantia em dinheiro. Nesse tempo, também se desfez de um apartamento. No entanto, os gastos na campanha não foram informado ainda pelo TSE. Há dois anos, ele usou R$ 1,2 milhão.

 

Juvenil Reis (PR): 2240 PRECISA CONFIRMAR

 

Nascido em Petrópolis, Juvenil Reis dos Santos tem 64 anos, é publicitário, produtor cultural e empresário na área de comunicação, indústria e prestação de serviços. No atual governo municipal de Rubens Bomtempo, assumiu os cargos de presidente da Fundação de Cultura e Turismo de Petrópolis (FCTP) e saiu por causa da candidatura. Possui R$ 2,56 milhões em bens, mas não teve o limite de gastos informado. Ele não esteve em nenhum dos últimos dois pleitos (2010 – nacional/estadual; 2012 – municipal).

 

Carlos Madureira (PTC): 3636 PRECISA CONFIRMAR

 

O apresentador de TV e radialista Carlos Madureira Antonio, de 51 anos, tenta mais uma vez alcançar um cargo político, agora concorrendo a deputado federal pelo Partido Trabalhista Cristão. A declaração de bens divulgada pelo DivulgaCand informa apenas "nenhum objeto encontrado". Mas quando se candidatou em 2012 a vereador pelo PR tinha R$ 25 mil. Os gastos nessa eleição serão 20 vezes maiores que há dois anos – salta de R$ 100 mil para R$ 2 milhões.

 

Lilia Vogel (PSB): 4016

 

Agente da Policial Federal (atualmente é lotada na Delegacia do Meio Ambiente e Patrimônio Histórico), Lilian Vogel de Castilho se lança pela primeira vez a um cargo político. Natural do Rio de Janeiro, com 40 anos, ela é Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Petrópolis (UCP). Declarou ter R$ 77 mil em bens e despender R$ 2,5 milhões na luta por um lugar no Legislativo nacional.

 

Carlos Sion (PV): 4300

 

Vice-presidente da executiva estadual do Partido Verde, Carlos David Sion também é presidente do diretório municipal da legenda. Natural de Santos (SP), tem 70 anos. Para conseguir chegar à Câmara, anunciou gastos até R$ 1,5 milhão e fez uma declaração de bens de R$ 121 mil. Ele não participou das últimas duas eleições.

 

Ramon Mello (PSDB): 4567

 

Ramon Pedro de Mello é coordenador regional do PSDB desde 2010, mas é filiado ao partido a pelo menos 14 anos. Advogado de 30 anos, nascido em Petrópolis. Mais do que triplicou os bens de 2012 para cá, quando saiu de R$ 15 mil para R$ 49,5 mil, fruto da compra de dois automóveis. Se quando tentou ser vereador gastou R$ 2,25 milhões, agora gastará pouco mais que isso: R$ 2,5 milhões.

 

Abel de Paula (Psol): 5012

 

Abel de Paula e Silva Segundo é tesoureiro do Partido Socialismo e Liberdade em Petrópolis desde o início de junho, quando o novo diretório municipal da sigla tomou posse. Comerciante de 37 anos, natural de Duque de Caxias, ele tem uma empresa que aparece como seu único bem, avaliado em R$ 15 mil, e promete usar até R$ 550 mil durante a campanha. Em 2010 e 2012, ele não se candidatou.

 

Dr. Jeferson Evangelista (Solidariedade): 7723

 

O médico-cirurgião e professor universitário Jeferson Evangelista Correa, de 49 anos, é integrante de um dos partidos criados no ano passado, o Solidariedade (SDD). Nascido no Rio de Janeiro, ele é servidor público federal como perito da PF. Com uma declaração de bens de R$ 1,2 milhão, teve um aumento de 39,8% em relação a 2012, quando se candidatou a vereador pelo PRTB e tinha R$ 863 mil. Isso aconteceu principalmente pela compra de veículos e valorização dos imóveis que tem em seu nome. Promete gastar até R$ 5 milhões para conseguir ser deputado federal (25 vezes mais do que o usado há dois anos – R$ 200 mil).

 

Marcelo Lessa (Telemar) (Solidariedade): 7777

 

Marcelo de Souza Lessa é mais um que integra o Solidariedade (SDD), mas vindo do PR. Empresário de 37 anos, nascido em Petrópolis, teve um decréscimo nos bens na comparação com dois anos atrás, quando concorreu a vereador. Saiu de R$ 77 mil para R$ 44 mil. A diferença se deve a uma motocicleta da qual se desfez, a diminuição da reserva financeira e a retirada de capital de uma das empresas na qual investia. No entanto, crescerá os gastos de campanha em 50 vezes, saindo R$ 100 mil em 2012 para R$ 5 milhões agora.

 

Hugo Leal (Pros): 9090 PRECISA CONFIRMAR

 

Hugo Leal Melo da Silva, 52 anos, é advogado formado pela UFRJ e natural de Ouro Preto (MG). Possui o título de cidadão petropolitano concedido pela Câmara em 2000. No passado, deixou o PSC para se tornar um dos principais nomes do Partido Republicano da Ordem Social no país. Criado em 2013, ele foi alçado ao posto de presidente estadual da sigla. Deputado federal duas vezes, tenta mais um mandato, apesar da especulação de que poderia concorrer ao Senado. Na declaração de bens, apresentou alta de 17,9% – pulou de R$ 1,63 milhão para quase R$ 2 milhões. Valorização de contas bancárias próprias e a de um dependente, financiamento de um automóvel e realização de um plano de previdência são os motivos para o crescimento. No entanto, o investimento na campanha eleitoral não foi informado pelo DivulgaCand. Em 2010, ele usou R$ 2 milhões.

 

 

Candidato (Partido)

Declaração de bens

Limites de gastos

Nelson Sabrá (PDT)

R$ 129 mil

Não informado

Dr. Luiz Fernando (PR)

R$ 1,1 milhão

Não informado

Juvenil Reis (PR)

R$ 2,5 milhões

Não informado

Carlos Madureira (PTC)

Não informado

R$ 2 milhões

Lilia Vogel (PSB)

R$ 77 mil

R$ 2,5 milhões

Carlos Sion (PV)

R$ 121 mil

R$ 1,5 milhão

Ramon Mello (PSDB)

R$ 49,5 mil

R$ 2,5 milhões

Abel de Paula (Psol)

R$ 15 mil

R$ 550 mil

Dr. Jeferson Evangelista (SDD)

R$ 1,2 milhões

R$ 5 milhões

Marcelo Lessa (SDD)

R$ 44 mil

R$ 5 milhões

Hugo Leal (Pros)

R$ 2 milhões

Não informado

 

Candidatos do Solidariedade esclarecem reportagem

Diário de Petrópolis, Segunda-feira, 21 de julho de 2014

 

 

Rômulo Barroso


Na semana passada, a reportagem intitulada "Candidatos a federal gastarão mais de R$ 19 mi" trouxe detalhes dos dados da declaração de bens e de limites de gastos dos candidatos a deputado federal em 2014 nascidos ou com ligação a Petrópolis. Os candidatos do partido Solidariedade, Dr. Jeferson Evangelista e Marcelo Lessa procuraram o Diário para esclarecer alguns pontos colocados na matéria.

Equivocadamente, o texto informou que os candidatos "vão gastar pelo menos R$ 19 milhões". O correto é que o limite de gastos alcança R$ 19,05 milhões – o que não significa que eles vão usar toda a quantia, apenas que não podem gastar mais que isso. O valor também estava equivocado, já que a informação é prestada por cada partido, não pelo candidato. Assim, o Solidariedade, por exemplo, pode gastar até R$ 5 milhões com todos os seus candidatos , e não com cada um deles. Dessa forma, o total cairia para R$ 14,05 milhões.

O espaço dedicado aos candidatos também foi questionado pelos integrantes do Solidariedade. Isso porque a reportagem informava os limites de gastos de sete dos 11 concorrentes a vaga na Câmara dos Deputados. O motivo foi exposto na própria reportagem: "apenas sete candidatos tiveram essa informação revelada até o fechamento desta reportagem". De fato, até o sábado, dia 12/07, os dados não eram exibidos. Ao longo da semana, o DivulgaCand atualizou o seu banco de dados. Assim, os quatro candidatos que ficaram faltando já possuem seus gastos divulgados:

Nelson Sabrá (PDT) terá limite de gastos de R$ 6 milhões – há dois anos, na eleição municipal, o limite era de R$ 400 mil.

Luiz Fernando Vaz (PR) poderá usar até R$ 3 milhões – há dois anos, tinha gasto limitado a R$ 1,2 milhão.

Juvenil Reis (PR) pode fazer um investimento de no máximo R$ 3 milhões – ele não participou de nenhum dos últimos dois pleitos (2010 – nacional/estadual; 2012 – municipal).

Hugo Leal (Pros) terá até R$ 6 milhões na campanha – em 2010, quando se elegeu deputado federal, tinha até R$ 2 milhões.

Com a exposição de novos dados no site DivulgaCand, portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que reúne as informações relativas aos candidatos, esse valores cresceram. O limite passou de R$ 14,05 milhões para R$ 29,05 milhões. Até então, o maior limite de gasto era do Solidariedade (até R$ 5 milhões). Agora, passa para o Pros (até R$ 6 milhões). De acordo com os candidatos, o limite mais alto é para permitir que os candidatos possam conseguir doações, o que é atrapalhado com teto pequeno.

Por último, é importante ressaltar que os candidatos não usaram os limites informados na última campanha. Dr. Jeferson Evangelista podia gastar até R$ 200 mil, mas despendeu pouco mais de R$ 49 mil. Marcelo Lessa (Telemar) tinha até R$ 100 mil para poder investir, mas usou pouco mais R$ 48 mil. 

Todos os dados consultados fazem parte do DivulgaCand. 




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS