Petrópolis, 24 de Outubro de 2020.
Matérias >> Cidade >> Notícias
   
  IBGE: Setor de serviços avança 2,9% em Agosto, terceira alta seguida

Data: 14/10/2020

 

Pesquisa Mensal de Serviços

Setor de serviços avança 2,9% em agosto, terceira alta seguida

Editoria: Estatísticas Econômicas  Alerrandre Barros

 

14/10/2020 09h00 Última Atualização: 14/10/2020 09h53

 

Restaurantes puxaram a alta do serviços às famílias em agosto - Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

O volume de serviços cresceu 2,9% em agosto, na comparação com julho, e chegou à terceira alta seguida, acumulando crescimento de 11,2% no período. Esse resultado, porém, ainda não foi suficiente para recuperar as perdas de 19,8% entre fevereiro e maio. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada hoje (14) pelo IBGE.

Já em relação a agosto de 2019, o volume de serviços recuou 10%, sexta taxa negativa seguida nessa base de comparação. No acumulado em 2020, a queda é de 9%. Em 12 meses, o recuo é de 5,3%, mantendo o indicador em trajetória descendente iniciada em janeiro e chegando ao resultado negativo mais intenso da série deste indicador, iniciada em dezembro de 2012.

“Apesar de três altas seguidas, o setor de serviços ainda está 9,8% abaixo do patamar de fevereiro (-1,1%)”, diz o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, lembrando que a queda registrada em fevereiro não tem relação com a pandemia. “Esse recuo foi conjuntural e refletia, à época, uma acomodação do setor frente ao maior dinamismo apresentado no fim do ano passado. Portanto, os serviços acumularam na pandemia, entre março e maio, perda de 18,9%”, explica.

O avanço na passagem de julho para agosto foi puxado por quatro das cinco atividades pesquisadas pelo IBGE, com destaque para serviços prestados às famílias, que cresceu 33,3%, impulsionados pelos restaurantes e hotéis. A alta dessa atividade foi a maior da série histórica, mas ainda está distante do patamar de fevereiro (-41,9%), mês que antecedeu o início do distanciamento social para controle da disseminação do coronavírus.

“Passados os meses mais críticos da pandemia, em março e abril, a atividade de serviços prestados às famílias registrou as três maiores taxas de toda série histórica: 33,3% em agosto, 14,4% em junho, e 13,8% em maio. Mas mesmo com esses recordes, ainda está muito distante de recuperar as perdas de março e abril, tamanha a queda. Para que os serviços prestados às famílias voltem ao patamar de fevereiro, ainda precisam crescer 72,2%”, diz Lobo.

 

Volume de serviços (mês/mês anterior)

Clique e arraste para zoom

Variação mês / mês anterior com ajuste sazonal Brasil Variação mês / mês anterior com ajuste sazonal Rio de Janeiro Variação mês / mês anterior com ajuste sazonal São Paulosetembro 2019outubro 2019novembro 2019dezembro 2019janeiro 2020fevereiro 2020março 2020abril 2020maio 2020junho 2020julho 2020agosto 2020-15-10-50510 setembro 20191,8 %

Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Serviços

Outro destaque do avanço no setor de serviços veio de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correios (3,9%). Essa atividade acumula ganho de 18,8% nos últimos quatro meses, mas também não recuperou as perdas de março e abril (-25,2%). Segundo o gerente da pesquisa, armazenamento, transporte aéreo de passageiros, rodoviário de cargas e rodoviário coletivo de passageiros puxaram o resultado positivo.

“A melhora no armazenamento e no transporte rodoviário de cargas deve-se, em parte, ao comércio, já que a compra de determinados bens passa por centros de armazenamento e distribuição e depende do transporte rodoviário para chegar ao consumidor final. Já o transporte de passageiros tem a ver com retorno gradual das famílias às viagens”, analisa.

Os demais avanços do setor vieram dos serviços profissionais, administrativos e complementares (1%) e outros serviços (0,8%). O único resultado negativo ficou com os serviços de informação e comunicação (-1,4%). Para Lobo, contudo, essa é uma queda de acomodação, já que o segmento é bastante dinâmico e acumula saldo positivo, crescendo 6,3% entre junho e julho.

Diferente do comércio e da indústria, o setor de serviços vem apresentando recuperação lenta, segundo Lobo, por conta do caráter presencial de algumas atividades e do receio de algumas famílias em consumir esses serviços.

“Os serviços prestados às famílias, que incluem restaurantes, hotéis, academias de ginástica e salões de beleza foram os que mais sentiram os efeitos adversos da pandemia. Com a retomada das atividades, algumas empresas abriram, mas com capacidade de atendimento limitada. Essas empresas mostram alguma recuperação, mas com um ‘teto de retomada’, já que não têm plena capacidade de atendimento, comparada ao período pré-pandemia. Isso piora com o receio de algumas famílias de consumir esses serviços, como ir a restaurantes ou viajar”, explica o gerente da pesquisa.

Atividade turística avança pelo quarto mês seguido, mas não recupera perdas

O índice de atividades turísticas também apontou expansão de 19,3% em agosto, em relação a julho, quarta taxa positiva seguida, período em que acumulou ganho de 63,4%. O indicador, porém, ainda não recuperou as perdas de 68%, registradas entre os meses de março e abril, quando diversas empresas, principalmente de transporte aéreo de passageiros, restaurantes e hotéis interromperam as atividades devido à pandemia. Frente a agosto de 2019, o volume de atividades turísticas caiu 44,5%, sexta taxa negativa seguida.




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS