Petrópolis, 11 de Dezembro de 2019.
Matérias >> IPGPar: Plano Estratégico de Petrópolis - PEP20 >> GT2 - Saúde
   
  IPGPar/PEP20 - GT02 - SAÙDE: entrevista com Dr. Rafael - UNIMED

Data: 24/09/2019

 

IPGPar/PEP20 - GT02 - SAÙDE: entrevista com Dr. Rafael - UNIMED

Claudia Sies *

 

Entrevistado: Dr. Rafael (UNIMED)

Participantes: Claudia Sies (GT02) e Silvia Guédon (GT04)

Data: sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Local: Hospital UNIMED Petrópolis

 

Boa tarde a todos.

 

Infelizmente, devido a antecipação de minha viagem, não poderei comparecer à reunião de hoje.

Contudo, envio o material relacionado ao GT Saúde.

 

Diagnóstico:

 

Pontos Fortes:

 

1) De acordo com levantamento realizado pelo Conselho Federal de Medicina, Petrópolis se encontra no 31º lugar em investimento per capita com a saúde, considerando pesquisa realizada em 92 cidades do Estado do Rio de Janeiro. Em agosto deste ano, o município recebeu 2 carros, 13 compressores odontológicos, 4 cardioversores, 2 desfibriladores, 2 ultrassons, entre outros equipamentos, perfazendo o total de 4,8 milhões em investimento.

 

2) De acordo com o Plano Municipal de Saúde (2018/2021), Petrópolis conta com 37 Unidades Básicas de Saúde (UBS) com Estratégia Saúde da Família, 08 Unidades Básicas de Saúde sem Estratégia de Saúde da Família e 02 Centros de Saúde, com instalações que se apresentam em bom estado de conservação e higiene.

 

Pontos Fracos:

 

1) Percebe-se um aumento sensível das Doenças Crônicas Não Transmissíveis, devido ao crescimento da população de idosos. Segundo o último levantamento realizado pelo IBGE, em 2010, demonstra que 14,42% de sua população se encontra acima dos 60 anos.

 

2) Os casos de Doenças Sexualmente Transmissíveis vêm crescendo no município. O último levantamento realizado pelo Programa Municipal de Infecções Sexualmente Transmissíveis, em setembro de 2018, constatou que ocorreu um aumento de 50% dos casos de Sífilis em relação a 2017.

 

3) Nos últimos anos, a Rede Pública de Saúde recebeu em torno de 44 mil pacientes que deixaram de lado o plano de saúde. Desta forma, passou a se exigir uma melhor estruturação para atender a esta demanda que segue em ritmo crescente.

 

4) Nos últimos 10 anos, o município vislumbrou a perda de 127 leitos hospitalares, de acordo com a pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Municípios, com base nos dados disponibilizados pelo DataSus. Em novembro de 2008, a cidade contava com 1.151 leitos, sendo que no mesmo período de 2018, passou a contar com 1.024.

 

Possíveis soluções:

 

Saúde do idoso: promover programas de conscientização, com a finalidade de diminuir alguns fatores de risco como a inatividade física, tabagismo, alimentação inadequada, obesidade, entre outros. Desta forma, é possível prevenir agravos e manter melhor controle do quadro clínico dos pacientes.

 

Prevenção de DST´s: investimento em programas de conscientização, principalmente entre os adolescentes, levando em consideração que estas doenças também vêm sendo adquiridas durante a terceira idade. O programa incluirá temas relacionados à prevenção da gravidez e sequelas causadas pelo aborto.

 

Avaliação dos investimentos relacionados à estrutura hospitalar, buscando o direcionamento de verbas para ampliação do setor de UTI adulta e neonatal.

 

Um grande abraço a todos,

 

Claudia Sies.

 


* Coordenadora do GT02 - Saúde

 

 




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS