Petrópolis, 10 de Agosto de 2020.
Matérias >> Vida Comunitária >> Entidades de Classes e Profissionais
   
  Empresários querem participar do Plano Diretor

Data: 06/02/2009

Participar da elaboração do Plano Diretor, sendo sociedade civil. Esse é o objetivo do Fórum de Desenvolvimento Econômico, uma iniciativa da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) que conta com a participação de mais 25 entidades. Tendo como finalidade buscar o desenvolvimento da cidade, empresários formarão grupos de trabalho focando cinco pontos principais: comércio, indústria, turismo, alta tecnologia e educação. Ontem, o presidente da CDL, Cláudio Mohammad, e o gerente do Instituto de Pesquisas Humanistas e Solidárias (IPHS), Philippe Guedon, concederam uma entrevista coletiva para explicar o projeto.

 

"Empresários conversaram para pensar propostas de crescimento de Petrópolis. Mas para serem aproveitadas de forma útil, elas têm que ser canalizadas no Plano Diretor. Petrópolis tem que preparar um Plano Diretor para enraizar a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias). Essas leis têm que ser feitas com participação popular. É lei", argumentou Guedon.

 

A primeira reunião foi realizada no dia 14 de janeiro, no auditório do CDL, e contou com a presença de 19 entidades, além do secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, Agnaldo Goivinho, e do vereador Gil Magno. No próximo dia 11 (quarta-feira que vem), o Fórum se dividirá em cinco grupos de trabalho que trarão as primeiras propostas para o Plano Diretor no dia 11 de março. Até o dia 21, as ideias serão organizadas para serem apresentadas ao governo, a tempo de serem inseridas no Plano Diretor e na LDO.

 

"Queremos formar esse Fórum para trazer renda para a cidade, o que vai melhorara a classe social do povo petropolitano. O foco é geração de renda, através de melhores vendas, mais produção na indústria e desenvolvimento no turismo. Hoje, o turista não fica em Petrópolis, ele passa por Petrópolis e não deixa dinheiro na cidade. Em oito anos, a gente consegue mudar essa cidade", afirmou Cláudio Mohammad.

 

O Fórum trabalha com três prazos para que suas propostas tenham efeito: dois, quatro e oito anos. De acordo com Guedon, a parcela visada pelo Fórum será os 5% do orçamento destinados aos investimentos, o que, nos seus cálculos, significaria R$ 20 milhões, já que o valor real do orçamento anual da cidade seria de R$ 400 milhões. O Plano Diretor tem vigência de 2010 a 2017.

 

"O objetivo é ter propostas possíveis de serem realizadas, que possam ser executadas pelo poder executivo", disse Mohammad.

 

Guedon quer quatro audiências públicas para a apresentação das propostas do Fórum, duas na Câmara e duas na Prefeitura. A primeira audiência para a exposição das ideias e a segunda, separada por um mês da primeira, para tornar a mostrar as propostas, dessa vez com as contribuições que puderem ser aproveitadas. O gerente do IPHS ainda contou estar confiante em relação à receptividade dos poderes executivo e legislativo com o que for proposto pelo Fórum.

 

"A expectativa é a melhor possível. Primeiro porque todo mundo (prefeito e vereadores) na campanha, e também depois da campanha, estava defendendo uma maior participação popular nas decisões do governo. E segundo, porque tem que cumprir a lei, tem que ter essa opção da sociedade poder participar do processo decisório", completou Guedon.

 

 

Fonte: Diário de Petrópolis – 6 de fevereiro de 2009.

Autor: Vinicius Henter




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS