Petrópolis, 26 de Maio de 2020.
Matérias >> IPGPar: Plano Estratégico de Petrópolis - PEP20 >> GT1 - Urbanismo e Infraestrutura
   
  Horas de vida perdidas no trânsito: deslocamentos em petrópolis são mais demorados que no Rio

Data: 19/01/2020

 

Horas de vida perdidas no trânsito: deslocamentos em petrópolis são mais demorados que no Rio

O tempo de deslocamento dos moradores de Petrópolis, medido por um novo aplicativo, é maior do que as demoras a que são submetidos os cariocas, em trajetos semelhantes. Os operadores de ônibus reconhecem o problema e apontam as causas prováveis.


Demora no trânsito: tempo de vida perdido

JANAINA DO CARMO - Redação Tribuna


Com uma frota de quase 178 mil veículos, ruas estreitas e com precário planejamento viário, o deslocamento entre a casa e o trabalho é um sofrimento diário, principalmente para quem usa o transporte coletivo em Petrópolis. Um levantamento feito com o uso do aplicativo gratuito de mobilidade urbana - Moovit – mostra que o tempo de alguns trajetos é superior ao da capital.

Um trecho de cerca de 18 quilômetros, por exemplo, entre o Terminal de Itaipava e a Rua Paulo Barbosa, pode ser feito em 60 minutos, utilizando o ônibus da linha 700. O aplicativo mostra que o passageiro pega o coletivo por volta das 18h dentro do terminal e uma hora depois chega no Centro. Aproximadamente, a mesma distância na capital (São Cristóvão ao bairro de Irajá), é percorrida em 51 minutos, levando em consideração que, no Rio, o passageiro faz dois trajetos a pé, para embarcar e descer do ônibus, de 18 minutos. Ou seja, dentro do coletivo se perde pouco mais de meia hora.

“O tempo que perco dentro do ônibus entre minha casa e o trabalho poderia ser usado para descansar, ter mais qualidade de vida, estudar. São 10 horas semanais perdidas no transporte coletivo”, lamentou o jornalista Demétrio do Carmo. Trabalhando em Nogueira, ele demora diariamente em torno de uma hora entre o Centro da Cidade até o local do trabalho. “Na ponte de Corrêas, o trânsito para seja a hora que for. Ali é o pior trecho. Além disso, a empresa coloca poucos ônibus e quando chegam no ponto vem todos ao mesmo tempo, em comboio”, protestou. “As empresas ainda não se ligaram que o fluxo Centro-Distritos e vice-versa aumentou muito. Esse sistema não dá vazão”, lamentou o jornalista.

Outros trechos também mostram uma situação complicada para quem usa o transporte coletivo na cidade. Em uma distância de oito quilômetros entre o Samambaia e o Centro, o passageiro perde uma hora e 12 minutos dentro do ônibus, em horário de rush. De acordo com o engenheiro de transportes do Sindicato das Empresas de Ônibus de Petrópolis (Setranspetro), Gilmar de Oliveira, atualmente, os veículos nas principais regiões do país estão circulando a 13km/h, quando a velocidade ideal seria de 20 a 25 quilômetros por hora.

“Isso resulta em uma série de prejuízos, que vão desde a colocação de mais linhas para evitar que os passageiros fiquem esperando por tempo indeterminado em uma fila, até a procura por um serviço alternativo, resultando em menor quantidade de passageiros pagantes, aumento da tarifa e prejuízo exacerbado para o setor”, disse o engenheiro.

De acordo com o Anuário do Detran 2018, Petrópolis tem a sexta maior frota de veículos de todo o Estado do Rio de Janeiro. São 171.423 no total, sendo 114.415 só de automóveis, o que equivale a um para cada três moradores. Proporcionalmente, Petrópolis está abaixo da capital, onde há seis milhões de moradores e 2.921.822 veículos, com um carro para cada 2,6 habitantes.

A frota de Petrópolis é maior do que de cidade mais populosas, como São João de Meriti e Belford Roxo. Depois da capital, os municípios de Duque de Caxias, São Gonçalo, Niterói e Nova Iguaçu completam a lista das seis cidades com maior frota em todo o Estado.

O Setranspetro aponta como os principais problemas que prejudicam a mobilidade urbana na cidade causando engarrafamentos e retenções: os estacionamentos irregulares, a falta de manutenção e qualidade viária, excesso de quebra-molas, imprudência no trânsito, além da realização de obras em vias movimentadas e em horários inadequados.


Estacionamento irregular: o vilão 

Uma das empresas de ônibus da cidade, aponta pelo menos 30 ruas como as mais críticas com relação ao estacionamento irregular de veículos na pista. Os principais trechos são os que fazem a ligação com as ruas do Centro Histórico. No ano passado, foram enviados pela Cidade Real cerca de 60 ofícios a Companhia Petropolitana de Trânsito (CPTrans) pedindo solução.

O sindicato aponta ainda que Petrópolis tem uma frota de ônibus superior à indicada. A relação ideal, segundo a entidade, seria de um ônibus para cada mil habitantes. Em Petrópolis, são 772 moradores por coletivo.

Em nota, a CPTrans informou que apresentou no ano passado o Plano de Mobilidade Urbana, documento que norteia às ações do município em torno do tema pelos próximos 10 anos. Além disso, a companhia elabora projetos para diminuir o impacto provocado pelo volume excessivo de carros. Entre as principais medidas adotadas pela CPTrans está a implantação da sinalização com cones e bombonas em frente à Praça Oswaldo Cruz, no Centro. A instalação dos equipamentos, que cria uma baia para quem tem a intenção de virar à esquerda, no sentido bairro, permite que uma pista se mantenha livre para quem segue em direção à Avenida Piabanha.




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS