Petrópolis, 28 de Setembro de 2022.
Matérias >> Artigos
   
  Nem direita, nem esquerda

Data: 11/10/2016

 

Por Elton Simões (foto)

Analistas gostam de regras genéricas construídas sob fundamentos já estabelecidos. Tendem a explicar tudo a partir de linhas ideológicas e baseadas em conceitos teóricos definidos. Muitas vezes, talvez até quase sempre, funciona bem. Mas as vezes não.

Explicar resultados de eleição municipal a partir da opção simplesmente ideológica levando em consideração a nacionalização da disputa parece exagerado. Assume que o eleitor não sabe distinguir a função, finalidade e importância de cada nível de governo.

Esse incrível desenho que foi visto em uma cidade na Itália mostra como a arte urbana pode dialogar de maneira inteligente com as sinalizações da cidade.:

Neste prisma, o eleitor seria ignorante quanto às obrigações e deveres do prefeito. E que, de maneira muito pouco sofisticada, sacrifica os interesses da cidade simplesmente para demonstrar sua posição ideológica nacionalmente. É hipótese difícil de aceitar, convenhamos.

O eleitor mora nas cidades. Sabe perfeitamente que o prefeito tem influencia decisiva no cotidiano dos habitantes do município. Que um bom governante municipal pode significar uma cidade melhor, mais humana. Vida melhor, em resumo.

Talvez se esteja prestando demasiada atenção ao partido ou orientação ideológica do candidato a prefeito. É possível que o eleitor tenha se concentrado nas propostas e ideias e selecionado aquelas que, em sua opinião, possam resultar em melhorias no seu dia a dia.

Neste cenário, o eleitor não seria cidadão preocupado simplesmente em projetar nacionalmente suas preferencias. Seria, isto sim, atento ouvinte de propostas e juiz (rigoroso ou não) de seus méritos.

Muito se diz que o eleitor foi para a direita. Mas talvez, o que tenha acontecido é a percepção de que as agendas dos candidatos de direita sejam respostas mais adequadas (entre as agendas disponíveis, claro) a solução dos problemas encontrados nos municípios.

É visão mais otimista. Possivelmente, o eleitor não tenha escolhido entre esquerda ou direita. Pouco importava. O resultado das eleições mostra a face de um eleitor menos cínico e mais interessado. Desapontado, sim. Mas ao mesmo tempo, sem medo de tentar soluções diferentes.

Diante da inegável e comprovada falência de um conjunto de ideias e pessoas, o eleitor resolveu mudar. Rejeitou a incompetência e os resultados ruins. Não foi nem para a direita nem para a esquerda. Permaneceu onde sempre esteve. Pagou para ver. E preferiu andar para a frente.

O Globo



 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS