Petrópolis, 06 de Outubro de 2022.
Matérias >> Artigos
   
  Legados da Copa e um W.O.

Data: 23/06/2014

 

Legados da Copa e um W.O.

 
Diário de Petrópolis, Segunda-feira, 23 de junho de 2014
 
 

O primeiro legado da Copa: 64 anos depois repetiram-se as touradas de Madrid e a Espanha voltou para casa com seu revolucionário futebol de posse de bola enferrujado e humilhado.

 

Por coincidência, ao mesmo tempo, a dinastia dos Bourbon que reina na Espanha desde 1713 mudou de guarda: o rei Juan Carlos, artífice da transição democrática pós-franquismo, alquebrado pela saúde e desmoralizado por alguns escândalos e alguns safaris, cedeu o lugar ao filho Felipe 6º, uma cara mais nova que a do técnico Del Bosque e mais confiável que a do premiê Mariano Rajoy.

 

Esse foi o evento mais ruidoso e escandaloso dentro de campo. Fora do campo, onde hordas de turistas misturam a alegria natural de forasteiros que andam em grupos, produzem um carnaval temporão, cada um com a sua ginga própria e seu senso de humor particular.

 

Enquanto nós esperamos que a seleção de Felipão se solte um pouco mais, os olhos do País estão divididos entre o futebol e a política, pois afinal de contas quando as emoções do espetáculo do futebol se esvaírem, voltaremos à rotina da mediocridade técnica mas apaixonante do nosso Brasileirão e as especulações sobre o futuro do País.

 

No nosso contencioso em suspenso, estão a incapacidade de crescimento mais robusto e sustentável do país e a irresistível compulsão do governo de controlar, tanto as variáveis econômicas como a opinião alheia.

 

Está também no contencioso o decreto lei 8.243 de 23 de junho de 2014, que cria uma hegemonia forçada e superposta à democracia representativa por conselhos habitados por “movimentos sociais”, que se chocam claramente com o conceito republicano de “um homem e um voto” e com a soberania do Legislativo e o princípio da separação e independência de Poderes consagrada em todas as democracias do mundo.

 

O partido que comanda a aliança que está no poder, abalado com a perda de consistência de sua candidata à reeleição nas pesquisas de intenção de voto, e indignado com a vaia que ela tomou no Itaquerão no jogo de abertura da Copa do Mundo, tentou orquestradamente jogar a culpa pela manifestação incivilizada pelo exagero dos palavrões nas costas de uma suposta “elite branca”, no que foi desmentida pelo seu mais representativo porta voz na especialidade de puxar briga, o ministro Gilberto Carvalho.

 

E então a coordenação da campanha de Dilma reuniu-se, com Lula à frente, para estudar estratégias que possam reverter as tendências demonstradas pelo eleitorado ingrato, que nao sabe reconhecer as benesses que o governo lhe propiciou. Além de Lula, participaram da reunião Ruy Falcão, o presidente do PT, o tesoureiro da campanha Edinho Silva, o ex-ministro Franklin Martins e o marqueteiro João Santana.

 

Nem a candidata nem o seu braço direito Giles Azevedo foram convidados para a reunião. Foi a primeira derrota por W.O nesta Copa.

 

Sandro Vaia

 

Jornalista. Foi repórter, redator e editor do Jornal da Tarde, diretor de Redação da revista Afinal, diretor de Informação da Agência Estado e diretor de Redação de “O Estado de S.Paulo”. É autor do livro “A Ilha Roubada”, (editora Barcarolla) sobre a blogueira cubana Yoani Sanchez e "Armênio Guedes, Sereno Guerreito da Liberdade"(editora Barcarolla).

 

E.mail: svaia@uol.com.br




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS