Petrópolis, 10 de Julho de 2020.
Matérias >> Cidade >> Notícias
   
  Petrópolis em 17º no estado em ranking de transparência

Data: 29/05/2015

 

 

Petrópolis em 17º no estado em ranking de transparência

Cidade foi a melhor da região Serrana, mas a nota foi menor que a metade da pontuação: 4,8

Rômulo Barroso  - romulobarroso@diariodepetropolis.com.br - 29/05/2015

 

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro divulgou na última quarta-feira (27) um ranking de transparência entre as cidades do estado, durante um evento realizado na sede da Procuradoria da República do Rio de Janeiro (PR/RJ). Na lista, Petrópolis aparece na 17ª posição, com a nota de 4,8.

Apesar de a nota ficar menor que cinco (da mesma forma que outras 78 cidades), Petrópolis foi a melhor da região Serrana. Teresópolis apareceu na 24ª posição, com 4,4; Nova Friburgo em 27º, com 4,1; e São José do Vale do Rio Preto em 80º, com 0,4. Os municípios tiveram que responder um questionário com 32 perguntas com “sim” ou “não”. Por aqui, foram 17 negativas e 15 positivas.

“Isso significa que estamos avançando em transparência, mas vamos buscar melhorar ainda mais essa colocação”

Rosangela Stumpf – secretária municipal de Controle Interno

 

A secretária de Controle Interno, Rosangela Stumpf, disse que vai buscar avançar na questão para melhorar a posição no ranking.

– Isso significa que estamos avançando em transparência, mas vamos buscar melhorar ainda mais essa colocação. Realizamos cursos de capacitação na Controladoria Geral da União (CGU), temos alimentado regularmente o Portal da Transparência e o próximo passo será avançarmos nessa questão em relação às empresas de economia mista e às autarquias, como determinou o prefeito Rubens Bomtempo – disse Rosangela.

O ranking estadual de transparência analisou os portais e ferramentas de comunicação usadas por órgãos do Governo do Estado do Rio de Janeiro e das 92 prefeituras do Estado. Foram avaliados 14 itens, entre eles, a disponibilização dos gastos públicos, salários de funcionários, gastos com diárias e licitações. A análise foi feita com base na Lei 7.185/2.010 que determina a forma como deve ser a transparência administrativa do setor público. O ranking é um projeto-piloto, feito em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU), e faz parte da estratégia nacional de combate à corrupção e à lavagem de dinheiro.

– A intenção do MPF é, num primeiro momento, tentar solucionar as irregularidades de forma extra-judicial por meio de recomendações. Expirado o prazo, no entanto, faremos uma segunda avaliação e, caso persistam os problemas, iremos ingressar com ações civis públicas de forma coordenada em todo o Estado – disse o procurador da República Eduardo El-Hage, que coordenou a elaboração do ranking

 

Os municípios mais bem avaliados foram Niterói e Queimados, que atingiram nota 7,6, numa escala de 0 a 10. Os piores municípios foram São Sebastião do Alto, Aperibé e Tanguá, que ficaram com nota zero. O Governo do Estado também foi avaliado e ficou em terceiro lugar, com nota 6,6, enquanto a prefeitura da capital ocupou a quarta posição, com nota 6,5. Na média, a nota foi de apenas 2,75.




 

 

DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS