Petrópolis, 18 de Julho de 2018.
Matérias >> Vida Comunitária >> Entidades de Cunho Popular
   
  TRIO DUBRÁ NA ESCADARIA

Data: 01/07/2010

TRIO DUBRÁ NA ESCADARIA

 

O 10º Festival de Inverno de Petrópolis promove na próxima terça-feira, dia 06 de julho, a partir das 18h, na Escadaria do Theatro Dom Pedro um show com o Trio Dubrá. A apresentação tem entrada franca mediante a doação de 1kg de alimento não perecível ou um cobertor no local do evento.

 

O Trio DuBrá tem um estilo inspirado em nomes que representam muito bem a música brasileira. Com criatividade, eles trazem arranjos que podem ser identificados com a genialidade de Cartola até a rebeldia de Cássia Eller, sempre misturando o antigo com o novo, ou, o tradicional com o moderno.

 

O power trio vai passear por varios dos ritmos brasileiro mostrando a diversidade e o swingue do país. Desde sua origem, em 2006, o Trio DuBrá se destaca pela força de sua interpretação. Com Kika Notini nos vocais, João Vicente no violão e Dino Fernandes na percussão, os três músicos esbanjam categoria e entrosamento, mostrando o significado da palavra música, juntando melodia, harmonia e ritmo respectivamente.

 

Confira a programação completa do festival no site www.dellarte.com.br.

 

ARTISTAS

 

Kika Notini

Cantora mineira traz em sua bagagem além de todo o clima que a música de Minas nos proporciona, 6 anos de palco pelos bares de Belo Horizonte e finalista de um dos concursos do Domingão do Faustão.

Fez parte do Coral da Fundação Clóvis Salgado no ano de 1996, em Belo Horizonte, e  neste mesmo lugar estudou Teoria Musical com a Professora Flávia Lana. Além de ter feito parte da Banda Filhos de Gangster onde se apresentou por diversas vezes na mesma cidade.

Já em Petrópolis, com o músico João Vicente fez diversas apresentações pela cidade mostrando o lado da MPB que é pouco valorizado. Também em Petrópolis, com o grupo Receita de Samba cantou o melhor da bossa e do samba. No Palácio de Cristal, Kika se apresentou várias vezes sempre acompanhada de bons músicos locais.  Kika estudou canto com o Maestro Duda Fecher.

 

João Vicente

João Vicente nasceu no Rio de Janeiro, em 71. Em 1984 iniciou seus estudos com Messias dos Santos no Núcleo Experimental de Música do Centro Cultural Laurinda Santos Lobo (Santa Teresa – RJ), em 86 montou com amigos de escola sua 1ª banda, em 87 teve sua 2ª banda e tocava em festas e festivais de música. Após esse período tornou-se um auto-didata no estudo do instrumento. Em 89 mudou-se para Petrópolis – RJ, onde formou uma banda de rock progressivo, mas foi no ano de 1990 que o serviço militar deu uma parada na carreira do guitarrista por longos 4 anos, chegando a ser pára-quedista militar em 92, mas sem nunca deixar de pegar o instrumento, motivo que fez ele dar baixa no ínicio de 94, onde reiniciou seus trabalhos com duos, bandas e começando a tocar em bares da cidade. No final de 95 conheceu Ian Guest, e através dele foi apresentado ao CIGAM, onde à partir de 96 vem se aprimorando. Estudou harmonia (Estevão Teixeira), arranjo (Flávio Paiva), prática de banda (Itamar Assiére), música no computador (Flávio Paiva), percepção (Willians Pereira e Cláudio Bergamini) e improvisação (Alexandre Carvalho) pelo CIGAM – RJ, participou das oficinas de prática de conjunto (Itiberê Zwarg) e de guitarra (Vitor Biglione) do 1º festival de Inverno de Petrópolis e prática de conjunto (Cláudio Dauelsberg) durante o 3º festival de inverno de Petrópolis. Em Petrópolis acompanhou vários cantores, bandas e instrumentistas. Atualmente acompanha Bebel Nunes - Bebel e Eles,  Barbara Ribeiro(voz) e Cláudio Marcolino(sax) – Caruda jazz trio, SeuFontes , Ana Cristina, Toddy mall band e  trio DuBrá, com este se apresentado na peça teatral, Elis por Regina. tendo se apresentado em locais como Bordeaux, Luigi, Luca’s, Fuka’s, Casa Petrópolis, Shopping Vilarejo, Itaipava Shopping, Expo Agropecuária, pousadas e hotéis, projeto som e cristal e estação da música - prefeitura de Petrópolis, Adega dos Frades, chopperia Tebas, Beco do Barão, Nucrepe, Alif, entre outros. Suas principais influências são: Hermeto Pascoal, Itiberê Zwarg, Eric Satie, Bela Bartók, Villa-lobos, Hélio Delmiro, Alexandre Carvalho, Nelson Faria, Toninho Horta, Joe Pass, Ted Greene, Barney Kessel, Joe Diorio, Michel Leme, Lenine, João Bosco, Joshua Redman, John Coltrane, Lenny Breau, Allan Holdsworth, Jean Marc Belkadi, Kurt Rosenwinkel, Tuck Andress e Charlie Hunter.

 

Dino Fernandes

Nascido em Petrópolis, 08 de outubro de 1981, começou a se interessar por bateria e percussão aos 14 anos. Seu primeiro professor foi Anderson Sabaddine, com quem fez aulas por quatro anos. A partir daí começou a estudar por conta própria, pesquisando métodos, participando de vários workshops com os mais diversos músicos como Robertinho Silva, Pascoal Meirelles, Mestre Odilon (percussão na música brasileira), Orquestra Itiberê, Marcos Suzano, Os Barbatuques, Cezar Nascimento (rítimos do Maranhão), entre outros.

Formou sua primeira banda em 1997, chamada Auto Reverse, existente até hoje, para participar de um festival de bandas que aconteceu na Big House, ocupando o 4º lugar dos finalistas.

Em 2000 começou a sua carreira profissional, trabalhando como free lance, fazendo gravações em estúdios e acompanhando vários músicos de Petrópolis e de outros lugares. Em 2001 se apresentou com o violonista americano Franklin the Genius (conhecido por sua técnica de violão).

Seguindo sua carreira se apresentando em casas noturnas, bares, teatros, fazendo aberturas de shows de artistas consagrados como Victor Biglione, Arthur Maia entre outros.

Em 2003 acompanhou o cantor carioca Daniel Cardoso, gravando CD e se apresentando no Mistura Fina-RJ onde foi o lançamento.

Também participou de vários Festivais de Inverno, dirigido pelo Sesc, não apenas como aluno participando de worshops, mas também como músico fazendo apresentações com seus projetos musicais dentro de Petrópolis e em cidades onde esse Festival também acontece, junto a esse Festival, teve a oportunidade de estar tocando com Arthur Maia.

Em 2005 formou um projeto social em uma periferia de Petrópolis, onde dá aulas para crianças de um grupo chamado Kizumba, ritmos Afro-Brasileiros.

Ampliando sua carreira, começou a participar de grupos teatrais como percussionista e diretor musical. Seu primeiro trabalho no teatro, ainda em 2005, com o espetáculo “Vida, Momento e Canção”, dirigido por Frederico Justen, seguindo em 2006 com o espetáculo “Boi Bordado de Lua”, dirigido por Paulo Marcos de Carvalho.

Atualmente se apresenta com as bandas:

          Auto Reverse (Pop/Rock)

          Geração Coca-Cola (Pop/Rock anos 80)

          Banda Ganna (Pop/Rock)

          Banda Vestígio (Soul Music)

          Carlos Ally (MPB/Jazz)

          Kika Notini (Música brasileira)

.           Grupo teatral Menestréis da Alegria com o espetáculo sobre a história de Petrópolis,

Ministra aulas de bateria e percussão no centro musical ABA, em Petrópolis-RJ, e se apresenta como free lance em diversos trabalhos.

 

SERVIÇO

6 de julho : terça
Local : Escadaria Theatro D.Pedro
Horário : 18h
Atração : Trio Dubrá
Ingresso : Entrada Franca mediante doação de 1 kg de alimento não-perecível ou um cobertor no local do evento

 

10 º Festival de Inverno de Petrópolis
25 de junho a 18 de julho de 2010

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA NACIONAL

Reg Murray

reg@mls.com.br

(24) 2221-0987/ (21) 8892-1549

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA LOCAL

Carla Coelho

carlacoelho03@comunicacaolivre.com.br

(24) 2231-9707/ (24) 9955-2730/ (21) 9278-0555

 




 

 

Área do Município: 795.798 km²
População estimada (2013): 297.888 habitantes (95% alfabetizada)
Densidade Demográfica (2013): 371,85 habitantes/km²
PIB (2011): R$ 9.212.328.000,00 (R$ 30.925,47 per capta)
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (2010): 0,745 (13º dentre 92 no RJ)
Fonte: IBGE  
DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS