Petrópolis, 16 de Novembro de 2018.
Matérias >> Vida Comunitária >> Entidades de Cunho Popular
   
  ANA BOTAFOGO NO PALCO DO THEATRO DOM PEDRO

Data: 01/07/2010

ANA BOTAFOGO NO PALCO DO THEATRO DOM PEDRO

 

A apresentação do espetáculo de dança Uma em Quatro, dentro da programação do 10º Festival de Inverno de Petrópolis promovido pela Dell’Arte, será realizada no próximo sábado, dia 03 de julho, a partir das 21h, no Theatro D. Pedro.

 

Aos 35 anos de carreira, 29 dedicados ao balé do Teatro Municipal do Rio, Ana Botafogo ainda não marcou a despedida dos palcos, mas fala em aposentadoria. Por isso, diz querer se aventurar em novos terrenos.

 

Uma em Quatro é o primeiro projeto de Ana Botafogo em um ano cheio de espetáculos e certezas. Uma delas é a de que não dançará mais alguns papéis que a tornaram famosa, como Coppélia e O Quebra-Nozes.

 

A coreografia da apresentação é uma dança contemporânea com forte base na dança clássica e executada pelas principais solistas e primeiras bailarinas do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O tema principal trata de quatro facetas, quatro personas, quatro partes de uma que está ausente, que não existe mais, só as lembranças persistem, como fantasmas, na sala escura de ballet.

 

A persistência do tempo, a persistência da obsessão pelo corpo, a persistência pelo glamour fácil, a persistência do Espírito Artístico, são quatro persistências entrelaçadas, sem moral nenhuma, apenas para fazer existir a lembrança da memória que o tempo varrerá.

 

O cenário é uma sala de ballet onde a projeção se fará presente tanto para objetivar a leitura como para solucionar o espaço tecnicamente.  A iluminação será um fator primordial para conduzir a emoção e conduzir a ação.

 

O fio condutor da apresentação é a volta de uma dançarina veterana à sua sala de ensaios. Através de lembranças, ela reencontra partes de si mesma em diferentes momentos da vida e da carreira. Bettina Dalcanale, Laura Prochet, Monica Barbosa e Priscilla Mota representam os quatro ‘eus’ da personagem-síntese, interpretada por Ana Botafogo — no espetáculo e na vida.

 

Ana Botafogo, tanto pela sua vivencia como pela sua técnica perfeita será a condutora para mundo mágico e

profundo que vivencia no seu cotidiano: o mundo interno e externo do ballet.

 

A apresentação no Theatro Dom Pedro, localizado à Praça dos Expédicionários s/nº, Centro, custa apenas R$40,00 (quarentareais) por pessoa e R$20,00 (vinte reais) para estudantes e maiores de 60 anos. As pessoas que ajudarem na Campanha da Solidariedade do Festival de Inverno doando 1quilo de alimento não perecível ou um cobertor antes das apresentações pagarão metade do ingresso.

 

Programação completa no site www.dellarte.com.br

 

FICHA TÉCNICA

Direção e Coreografia: João Wlamir

Parceria Coreográfica: Monica Barbosa

Assist. de Direção: Rubens Cardoso Junior

Intérpretes : Ana  Botafogo, Bettina Dalcanale, Laura Prochet, Mônica Barbosa e Priscilla Mota.

Música: Wagner, Debussy, Bach, Ravel e Chopin.

Trilha Sonora-edição/sonorização: Jamil Chevitarese

Desenho de Luz: Paulo Cesar Medeiros (Artlight)

Videoarte : Daniel Belquer (Tijolo Filmes)

Operação: Rafael Ramadan

Cenários: Grupo de Dança D.C.

Figurinos: Jussara Mota/Grupo De Dança D.C.

Direção de palco: Marcelo Lages

Fotos: Bruno Veiga

Produção: Grupo de Dança Dissídio Coletivo

 

ARTISTAS

Ana Botafogo

Iniciou sua carreira no Ballet de Marselha, de Rolland Petit. No Brasil, começou como bailarina principal do Theatro Guaíra, em seguida na Associação de Ballet do Rio de Janeiro e, em 1981, como primeira bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. É o maior nome da dança no Brasil, por sua técnica, versatilidade e enorme carisma. Dançou todos os ballets clássicos e contemporâneos da programação do Municipal e, no exterior, dançou com a Sadlers´Wells Royal Ballet (UK), Ballet Nacional de Cuba, Ballet Dell´Opera di Roma, entre muitas outras companhias. Participou do “Solos de Dança no SESC” pela 1ª. vez em 2008, com “La Mariée”, coreografia de Ana Vitória.

 

Bettina Dalcanale

Formada pela Escola de Danças do Theatro Guaira de Curitiba, completou sua formação em Cannes, França. Foi primeira bailarina do Ballet Guaira, até 1982, quando ingressou no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Como bailarina principal, dançou tanto ballets de repertório como contemporâneos, com destaque para “Eugene Onegin”, de John Cranko, e “Opus Cinc”, de Maurice Bejart, neste caso, sendo ensaiada pelo próprio. Participou do “Solos de Dança no SESC” pela 1ª. vez em 2005, com “Desapego” coreografia de Mônica Barbosa. Com João Wlamir teve a oportunidade de participar de “AMOR”, com Joseny Coutinho. Atualmente, além do trabalho no Theatro Municipal, cursa o último período do curso de Licenciatura em dança pela UniverCidade.

 

Laura Prochet

Foi aluna de Tatiana Leskova, aperfeiçoou seus estudos na escola de dança Rosella Hightower, na França. Em 1985, ingressou no Teatro Municipal do Rio de Janeiro e, desde 1988, vem se destacando como solista em todas as temporadas. Trabalhou com grandes nomes da dança clássica e contemporânea. Desenvolve um trabalho com o grupo de dança D.C. desde 1993, dançando em várias cidades do Brasil e da Europa. Ano passado atuou como atriz em “Otelo” de William Shakespeare, ao lado de Diogo Vilela. Participou do “Solos de Dança no SESC” pela 1ª. vez em 2007, com “Lado B”, concepção e coreografia de João Wlamir .

 

Mônica Barbosa

Começou seus estudos com Jonnhy Franklin, Tatiana Leskova e Eugenia Feodorova; estudou no Joffrey Ballet School e David Howard Dance Center e se formou pela Escola de Danças Maria Olenewa. Aos 19 anos entrou para o Theatro Municipal do Rio de janeiro, onde tem trabalhado com grandes nomes da dança Nacional e Internacional. Em 1991, ingressou para o Grupo de Dança D.C., tendo participado de todas as suas produções, incluindo as 2 turnês internacionais.

 

Priscilla Mota

Bailarina solista do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, formada pela Escola de Danças Maria Olenewa. Também formada em jazz, sapateado, dança moderna e folclórica. Apefeiçoou seus estudos de dança na Argentina. Constam em seu repertório todos os grandes ballets internacionais como "Giselle", "Lago dos Cisnes", "O Quebra-Nozes", "A Bela Adormecida", “Coppelia”, "Onegin", "La Fille Mal Gardée", A Criação", "Sétima Sinfonia de Bethoven", "Serenade", "Paquita", "La Bayedere"entre outros.

No Carnaval Carioca é coreógrafa da Comissão de Frente da Unidos da Tijuca.

 

COREÓGRAFO E DIRETOR

João Wlamir

Bailarino Solista do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, desde 1981. Fundador, coreógrafo e diretor do Grupo de Dança D.C..

Tem participado de todas as montagens do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, com destaque para Copélia, de Enrique Martinez; Romeu e Julieta, de John Cranko; Sagração da Primavera, de Norbet Vesack; Giselle, de Peter Wright; O Lago dos Cisnes, de Eugênia Feodorova,

entre outros.

Criou o Grupo de Dança D.C. em maio de 1987, ao mesmo tempo que iniciou sua trajetória como coreógrafo, reunindo seus companheiros do Corpo de Baile Rodrigo Moreira e Paulo Arguelles.

Neste ano, ganhou Menção Honrosa com sua coreografia VÍDEO-CLIP, na Mostra de Novos Coreógrafos.

Em 1992, foi convidado pela direção do Teatro Municipal a remontar uma de suas coreografias, o Pás-de-deux A.M.O.R., para os primeiros bailarinos da Companhia, Nora Esteves e Francisco Timbó.

Dirigiu e coreografou todos os espetáculos e produções do Grupo de Dança D.C., inclusive as turnês européias de 2001 e 2003.

Atualmente, além de dirigir e coreografar para o Grupo de Dança D.C., exerce o cargo de Coordenador de Ópera e Ensaiador do Corpo de Baile do Teatro Municipal.

 

GRUPO DE DANÇA DISSÍDIO COLETIVO

Formado em 1988 por bailarinos solistas do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, na busca em desenvolver um trabalho contemporâneo com base na técnica clássica, o Grupo de Dança D.C. tem se destacado pela proposta arrojada de transportar o alto nível técnico de seus bailarinos para um estilo coreográfico extremamente inovador.

 

1989 - Realizam duas temporadas no Teatro Villa-Lobos, RJ, tendo como convidada a 1a bailarina do Teatro Municipal, Áurea Hammerli. São também convidados pela Sandoz do Brasil a se apresentar para 3.000 pessoas na comemoração dos 25 anos da Fábrica Química.

 

1990 - Participam do Festival de Dança da Ilha do Governador e do Olhar Contemporâneo da Dança no Teatro Cacilda Becker, RJ, com o programa X-RATED e participação especial de Ana Botafogo e Paulo Rodrigues, 1ºs bailarinos do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. A convite da Sul América de Seguros, se apresentam no Club Med de Rio das Pedras, RJ, com a participação de Cecília Kerche e Paulo Rodrigues.

 

1992 - Convidados pela Fundação Calouste Gulbekian, dançam trechos do espetáculo A.M.O.R., em fase de montagem e, em julho, para 2.000 pessoas nos Arcos da Lapa, RJ. Convidados pela Direção do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, remontam duas de suas coreografias: OUTONO, com música de Vivaldi e coreografia de Rodrigo Moreira para o Corpo de Baile, e o Pas-de-deux A.M.O.R., música de Mahler e coreografia de João Wlamir para os primeiros bailarinos Nora Esteves e Francisco Timbó.

 

1993 - Em seguida à uma apresentação especial na Noite de Gala do Congresso Mundial de Psiquiatria no próprio Teatro Municipal a convite do Consulado da França, estreiam o espetáculo A.M.O.R. no Teatro Delfim, RJ. Em agosto, abrem as comemorações de aniversário da cidade de Campos, RJ, dançando em praça pública para 5.000 pessoas. Ainda este mês, participam dos Festivais: Tápias Dance, no Teatro João Caetano, RJ, e Coreógrafo Nota Dez, este a convite do RioArte. Em setembro, a convite da Agência Tec Cine, participam de dois comerciais do Via Parque Shopping, o primeiro de inauguração e, o segundo, às vésperas

 do Natal, veiculados na TV e nos cinemas.

 

1994 - Com Apoio da SHELL, da Tec Cine e da Cara Editora, re - estreiam o espetáculo A.M.O.R. no Teatro Tereza Rachel, RJ. Em junho, apresentam o programa L’APRÈS D’APRÈS no Espaço Cultural FINEP. Em outubro, dançam o A.M.O.R. no Espaço Cultural do BNDES. Encerram ao ano participando do Auto de Natal da Cidade do Rio de Janeiro a convite da Arquidiocese e da RIOTUR.

1995 - Com o Patrocínio da SHELL, estreiam o espetáculo SAGRAÇÃO no Teatro Nelson Rodrigues, RJ. Viajam com esta produção para a Abertura do IV Fórum de Artes Visuais - 1o Cena Contemporânea na Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional em Brasília, DF; levam o A.M.O.R. para Salvador, BA; e se apresentam na Casa de Rui Barbosa, RJ. Encerram o ano participando da RIOCULT 95, ocorrido no Rio Centro, RJ, com uma nova versão coreográfica para a música do Bolero de Ravel, chamada “16 MINUTOS DEPOIS...”.

 

1996 - Iniciam o ano com uma bem sucedida remontagem de SAGRAÇÃO no Teatro Villa-Lobos, RJ; e, além de algumas apresentações no Rio de Janeiro, montam um espetáculo especial a convite da ESTUB - Estruturas Tubulares do Brasil, para comemoração dos seus 27 anos.

 

1997-    Participam do Vídeo Clipe da música “Baby Toque” do novo CD “UM” da cantora Baby do Brasil, veiculado na MTV. Após duas Pré - Estréias, ainda em fase de montagem, do novo espetáculo RIO 24 HORAS, patrocinado pela SHELL, uma a convite do BNDES e a outra no encerramento do 8o FESTIDANÇA no Teatro Municipal de São José dos Campos SP, a convite do SESC; estreiam em excelente temporada no

 Teatro Villa-Lobos, RJ. Neste ínterim, novamente a convite do SESC, se apresentam no SESC Pompéia, São Paulo, e no SESC São José dos Campos, SP. Apresentam RIO 24 HORAS no Teatro Municipal de Niterói, RJ, e na abertura da Mostra de Dança “Movimentos de Dança na Caixa”, realizada pela Caixa Econômica Federal, no Conjunto Cultural da Caixa - Teatro Nelson Rodrigues, RJ. Encerram o ano do seu 10o aniversário, participando do “Dança Brasil”, primeiro evento de dança realizado no Centro Cultural Banco do Brasil, RJ, com o espetáculo DC MIX, que representa uma re-leitura de algumas de suas principais coreografias pertencentes aos espetáculos A.M.O.R., RIO 24 HORAS e “16 MINUTOS DEPOIS...

 

1998 - Participam da 5ª Semana de Moda do Barrashopping, em 1º de setembro, desfilando para Cribb Dancing, com uma coreografia criada por João Wlamir Rodrigo Moreira especialmente para a ocasião. Estreiam APHRODITE, com Patrocínio da Shell - pelo 4º ano consecutivo - em uma temporada de 03 semanas no Teatro Nelson Rodrigues – Conjunto Cultural da Caixa, RJ.

 

1999 - Participam do 8º Panorama RioArte de Dança, em outubro no Teatro Carlos Gomes, com a coreografia “...Dos filhos deste solo és mãe gentil, pátria amada, Brazil” criada por João Wlamir .

 

2000 - Participam do 5as. no BNDES, no Espaço Cultural BNDES, com a nova produção D.Classix, dirigida e coreografada por João Wlamir .

 

2001 – Turnê Européia ( Alemanha, Áustria, Suíça e Holanda ) com o programa “D.Classix & Rio 24 Horas”, pela KonzertDirektion Landgraf.

 

2002 - Estréia de “Cores Brasileiras” – patrocínio CAIXA ECONÔMICA FEDERAL.

 

2003 - Turnê Nacional com o espetáculo “Cores Brasileiras” – 1a. parte.

 

2004 - Segunda turnê Européia ( Alemanha, Suíça, Holanda e Áustria ) com o espetáculo “Cores Brasileiras” completo, pela KonzertDirektion Landgraf.

 

 2005- Temporada no Teatro Municipal “Cores Brasileiras”, Temporada no Teatro Nelson Rodrigues, Campos, BNDES.

 

2007 - Montagem do espetáculo”LADO B”(SESC /RIO DE JANEIRO)

 

SERVIÇO

3 de julho : sábado (jogo)
Local : Theatro D. Pedro
Horário : 21h
Atração : Ana Botafogo “ Uma em Quatro”
Direção e Coreografia: João Wlamir
Ingresso : R$ 40,00 / R$ 20,00

10 º Festival de Inverno de Petrópolis
25 de junho a 18 de julho de 2010

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA

Reg Murray

reg@mls.com.br

(24) 2221-0987/ (21) 8892-1549

 

Carla Coelho

carlacoelho03@comunicacaolivre.com.br

(24) 2231-9707/ (24) 9955-2730/ (21) 9278-0555

 




 

 

Área do Município: 795.798 km²
População estimada (2013): 297.888 habitantes (95% alfabetizada)
Densidade Demográfica (2013): 371,85 habitantes/km²
PIB (2011): R$ 9.212.328.000,00 (R$ 30.925,47 per capta)
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (2010): 0,745 (13º dentre 92 no RJ)
Fonte: IBGE  
DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS