Petrópolis, 19 de Maio de 2019.
Matérias >> IPGPar: Plano Estratégico de Petrópolis >> Informações Gerais
   
  IPGPar: Sociedade civil elabora plano pensando no futuro da cidade

Data: 10/03/2019

 

Sociedade civil elabora plano pensando no futuro da cidade

Janaina do Carmo - Tribuna de Petrópolis, 10/03/2019


Pensando no futuro econômico, social e cultural da cidade, foi criado pela sociedade civil o Instituto Pró-Gestão Participativa (IPGPar). O grupo está elaborando um Plano Estratégico para o município para os próximos 20 anos. O documento, que engloba temas de infraestrutura, educação, saúde, administração pública, cidadania, meio ambiente e cultura, será entregue aos candidatos que vão disputar as eleições em 2020.

“O mundo está mudando e nós estamos só assistindo. O que temos visto são os governos se sucederem, se baseando apenas nos planos quadrianuais. Queremos oferecer um material que vá planejar a cidade pelos próximos 20 anos, algo muito além do que os quatro anos de um mandato”, explicou um dos idealizadores do projeto, o engenheiro Luís Carlos Dias de Oliveira.

Desde o início do ano, reuniões estão sendo realizadas com grupos destinados para cada tema dentro do Plano Estratégico. A ideia é que o documento fique pronto até o fim deste ano e em 2020 seja apresentado para os candidatos. “Estamos colhendo dados, documentos, ideias, projetos, tudo que possa embasar na elaboração do plano”, comentou Luís, explicando que a ideia foi inspirada em iniciativas dos anos 90 na cidade do Rio Janeiro. “Petrópolis não pode ficar dependendo de apenas um setor econômico, ou pior, de apenas uma empresa. Temos outros setores, como o turístico, por exemplo, e a falta de investimentos neste segmento é grave para o desenvolvimento da nossa cidade. É necessário planejar Petrópolis pensando em criar um ambiente mais favorável e propício para os investidores”, ressaltou Luís.

Para Philippe Guédon, outro idealizador do projeto, a cidade nunca teve planejamento e tudo “é feito no improviso”. “Como se faz um grande investimento em mobilidade urbana, em quatro anos? Se há crescimento urbano, este precisa ser planejado, assim como em outros setores da cidade. É impossível que Petrópolis mude o plano de governo a cada troca de mandato”, frisou.

Quem também faz parte do projeto é Jonny Klemperer (*). Segundo ele, as discussões dentro do IPGPar estão abertas a toda a sociedade civil. “Não tem cores partidárias. Todos são bem-vindos no sentido de construir um programa que está sendo elaborado de forma colaborativa, por todos os segmentos envolvidos”, explicou.

Entre os pontos das discussões do Instituto Pró-Gestão Participativa (IPGPar) está o planejamento da Estrada União e Indústria, principal via de acesso aos distritos. A área tem recebido inúmeros projetos imobiliários nos últimos anos gerando impactos na mobilidade e infraestrutura da região. Com projetos em execução e que estão em análise na Prefeitura, a região pode receber mais de cinco mil moradias.

“Por anos, se formou a ideia de que a cidade precisava se desenvolver além do primeiro distrito. É o que estamos vendo agora. O eixo União e Indústria tem diversos terrenos propícios para o mercado imobiliário, o que precisamos agora é planejar a estrada para os próximos anos. Isso tem que ser discutido”, disse o engenheiro Luís Carlos Dias de Oliveira.

A Estrada União e Indústria é administrada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), que também está elaborando um edital para a contratação da empresa que ficará responsável por obras na via. Após a conclusão das intervenções, a estrada passará a ser administrada pelo município, devido a uma decisão judicial de 2009.

“Por que não planejar as obras no eixo para garantir a mobilidade no eixo União e Indústria? Por exemplo, é preciso duplicar um trecho, que se faça um cronograma, para que as obras sejam executadas. Tem coisas que não se fazem em quatro anos, planejar é tornar a cidade viável”, ressaltou.


(*) De fato, foi Cleveland Jones quem participou da entrevista. Ambos participam do Instituto Pró Gestão Participativa - IPGPar, além de Luis Carlos Oliveira.



Arquivos:

 Tribuna IPGPar 20190310.png


 

 

Área do Município: 795.798 km²
População estimada (2013): 297.888 habitantes (95% alfabetizada)
Densidade Demográfica (2013): 371,85 habitantes/km²
PIB (2011): R$ 9.212.328.000,00 (R$ 30.925,47 per capta)
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (2010): 0,745 (13º dentre 92 no RJ)
Fonte: IBGE
DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS