Petrópolis, 21 de Novembro de 2018.
Matérias >> Frente Pró-Petrópolis >> Pautas e Atas
   
  FPP: PAUTA da reunião extraordinária prevista para 16.JANEIRO.2018: 09:00-12:00h

Data: 09/01/2018

 

FRENTE PRÓ-PETRÓPOLIS: FPP

PAUTA da reunião extraordinária de terça-feira, 16.Janeiro.2018, das 09:00 às 12:00 horas

FIRJAN – Av. D. Pedro I. 275 – 25610-020 – Petrópolis – R.J. – Tel.: 2242.3865

Contatos: phiguedon@gmail.com / dadosmunicipais@gmail.com

           

CLIQUE DADOSMUNICIPAIS E VISITE NOSSO ESFORÇO COMUNITÁRIO

 

I – PRESENÇAS REGISTRADAS E DATAS DAS PRÓXIMAS REUNIÕES

 

01 - Ausências justificadas:

 

02 – Presenças:

 

03 - Calendário FPP dos próximos 3 meses (1ª terça do mês, 9h00 às 12h00):

16 de janeiro de 2018    

06 de fevereiro 2018 (local?)

06 de março 2018

 

04 – Calendário de reuniões dos Conselhos Diretor e Fiscal do IPGPar: a serem definidas, uma ou mais por mês, pelo Conselho Diretor do IPGPar (Presidente Sílvia Guedon, VP Cleveland Jones).

 

05 – Dada a temática da reunião, estou remetendo esta pauta para os seguintes destinatários: Alexandre Carlos Hugueney, André Carvalho, Carlos A. Alvarães, Cleveland M. Jones, Humberto Fadini, Jochem S. Klemperer, Lucia Arantes Guédon, Manoel Ribeiro, Maria Cristina Melo Franca, Maria Ines N. de Carvalho, Mauro Muniz Peralta, Philippe Guédon, Ramiro Farjalla, Renato Araújo Silva, Roberto Rocha Passos, Sílvia A. Guedon. Sejam: os participantes mais assíduos da FPP, que se proporá constituam o núcleo da “nova FPP” e os dois Companheiros que mais nos ajudam a pensar “planejamento”, Maria Cristina e Manoel Ribeiro. Informo o que faço, para os oportunos acréscimos de quem os desejar sugerir.

 

NOSSO SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO INDEPENDENTE COMPREENDE A FPP, O DADOSMUNICIPAIS, O BRADO E O IPGPar. E VAI GERAR O OBSERVATÓRIO SOCIAL OSPetro E O INK SOCIEDADE CIVIL. PARTICIPE E USE.

 

II – AÇÕES DA FPP

 

01 – Pauta resumida da reunião de 16.01.18

 

A – Informação sobre as perspectivas (em futuro próximo ou mais distante) de assinatura, ou não, de um contrato de prestação de serviços com Fundação de Pesquisas Políticas.

 

B – Conjunto das sugestões remetidas a Renato até 10.01 serão lembradas pelo nosso Companheiro quando o tema estiver sendo debatido, com participação do Autor.

 

C – Estrutura de nossas iniciativas a partir de 2018, esboço opcional abaixo, adaptável à opção “sem contrato” ou “com contrato”:

 

alfa – IPGPar - NÚCLEO FORMAL COM CNPJ

            Ações próprias, como Cursos de Capacitação; busca de auto-sustentação

            Busca da penetração na Sociedade Cicil e meios acadêmicos

           Site englobando Dados e BRADO (vira blog?), talvez pautas e atas FPP

            Elo da FPP com segmentos da Sociedade Civil

            Busca de anúncios e corretagens para cobrir despesas do site e outras

            Secretaria Executiva: oferecida partilha com FPP e OSPetro (custo/trabalhos)

            Desejo de ver (se viável) Renato como SG

            Atendimento eventual a Contratos Externos (FUNSOL? Outros mais?)

            Contadores contratados; vidas administrativa/financeira rigorosas

Definir trabalhos inclusos no acordo com Contadores

            N (10?) cotas de mantenedores R$ 500,00/mês, total  5.000,00

            Orçamento e prestação de contas por semestres, com rigor

beta – FRENTE PRÓ-PETRÓPOLIS

            Movimento informal; Plenário com até 50 membros participantes

            1º papel: Conselho ao dispor do IPGPar

            2º papel: Conselho Estratégico do Movto. INK

            3º papel: Secretariado de Sombras (18 “Secretários” entre os 50)

            Contribuição de seus membros: R$ 10,00/mês (sistema de centavos)

            Buscar até 90 contribuintes (PF alem 10 mantenedores)

gama – OBSERVATÓRIO SOCIAL DE PETRÓPOLIS (OSPetro)

            Compartilha a Secretaria Executiva e locais do IPGPar (baratear)

            Associação formal, CNPJ, Diretoria própria

            Independência; possível representação na FPP

            Mantenedores, participantes e finanças próprios

            Programa de ação próprio

delta – FINANÇAS  

            Até primeiros contratos, buscar ações auto-sustentáveis e economia-penúria

            Arrecadação de pequenos valores para gerar orçamento de ações possíveis

            Sem independência financeira, não há gestão participativa

            Dificuldades financeiras matam a gestão participativa

            1ª ação: quem aceite contribuir; 2ª rendas de atividades; 3ª ação: receita

            4ª ação: despesas indispensáveis e busca do equilíbrio com margem

            5ª ação: outras ações não indispensáveis.

 

02 – LOA DE 2018 SIMPLIFICADA

(cf. publicada no Suplemento do DO de 29.12.17)

PONTO DE PARTIDA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

 

RECEITAS (Demonstrativo da Receita, segndo categorias econômicas)

 

Receitas correntes                                                             993.322.700

Impostos, taxas e contribuições de melhorias                282.597.600

Contribuições                                                                                    56.225.000

Receita patrimonial                                                                 6.619.500

Receita de Serviços                                                                  545.000

Transferências correntes                                                  637.484.000

Outras receitas correntes                                                      9.851.600

 

Deduções da Receita                                                          63.335.000

FUNDEB                                                                                63.335.000

Sub Total                                                                             929.987.700

Déficit                                                                                     44.789.917

Total                                                                                      974.777.617

 

Receitas de Capital

Transferências de Capital                                                       800.000

Déficit                                                                                      80.461.000

 

Sub Total                                                                             81.261.000

 

Receitas Intra-orçamentárias                                              82.461.000

Contribuições                                                                                    82.439.000

Receita Patrimonial                                                                      17.000

Receita de Serviços                                                                      5.000

 

Receitas Correntes                                                               993.322.700

Receitas de Capital                                                                      800.000

Receitas Intra-Orçamentárias                                                82.461.000

Deduções de Receitas                                                       (-63.335.000)

Total                                                                                      1.013.248.700

 

(Nota da FPP: no quadro-resumo, os déficits são incorporados às receitas, o que deve atender às normas contábeis, mas surpreende a lógica simples do cidadão. Não se entende que, no meio de tantos quadros técnicos, inexista uma página destinada ao contribuinte e cidadão leigo na matéria. E até aos vereadores, que teriam dificuldades em sabatina elementar).

 

DESPESAS (Demonstrativo da Despesa, segundo categorias econômicas)

 

Despesas correntes                                                                       974.777.617,27

Pessoal e encargos sociais                                                          552.345.595,68

Juros e encargos da dívida                                                   5.735.000,00

Outras despesas correntes                                                          416.696.921,59

(déficit: 44.789.917,27)

 

Despesas de Capital                                                                        36.471.082,73

Investimentos                                                                        18.917.082,73

Amortização da dívida                                                         17.554.000,00

                                                                                   (déficit: 80.461.000,00)

                                                                                   (superávit: 162.922,00)

                                                                                   (total:  82.461.000,00)

 

Despesas Correntes                                                                       974.777.617,27

Despesas de Capital                                                                         36.471.082,23

Reserva de Contingência:                                                      2.000.000,00

 

(Nota da FPP: continuam os déficits e superávit a desafiar o bom senso do cidadão; se há esclarecimentos dignos de nosso TCE, deveriam ser comunicados aos cidadãos)

 

DESPESAS POR UNIDADES E ÓRGÃOS (pág.10 da LOA)

 

                                                                                  Unidade                     Órgão

 

01 – Câmara Municipal             (CAM)                           31.305.435,00               31.305.435,00

10 – Gabinete do Prefeito (GAP)                        11.540.196,00

         Fundo da Criança e Ado (FUNCRIA)                          50.000,00

         Fundo da Pessoa Idosa (FUNDPI)                  30.000,00

        Fundo Interesses Difusos                                 90.000,00

        Fundo Interesse do Consumidor (FUMCOM)           30.000,00               11.740.196,00

11 – Procuradoria Geral (PRG)                             1.636.535,00  

        Fundo Especial da PRG                                                 32.000,00           1.668.535,00 

12 – Controladoria Geral do Munic. (CGM)                     1.017.750,00               1.017.750,00

13 – Coord. de Planjto. e Gestão Estrat.(CPG)               4.080.950,00                      4.080.950,00

14 – Sec. de Administração e RH (SAD-RH)                22.242.900,00         22.242.900,00

15 – Secretaria de Fazenda (SEF)                                   60.068.730,00

        Fundo de Reserva                                                 45.000,00                   60.113.730,00

16 – Secretaria de Educação (SED)                                  7.063.000,00

        Fundo Munic. Educação (FME)                               243.687.000,00          250.750.000,00

17 – Sec. de Dsenv. Econômico (SDE)                            2.730.430,00

        Fdo. Des. Econômico (FDE)                               400.000,00

        Fdo.Des. ecnológico (FDT)                                             285.000,00

        FUNDAGRO                                                           120.000,00

        Do. Desenv. Do Trabalho (FUNTRAB)                           40.000,00                      3.575.430,00

18 – Sec. de Saúde (SSA)                                       3.210.000,00

        Do. Mun.Saúde (FMS)                                              326.274.000,00               328.484.000,00

19 – Sec. Obras, Hab. E Reg. Fund (SOHR)                  19.619.447,00

        Fdo. Hab. Interesse Soc (FHIS)                                     167.300,00                   19.786.747,00

20 – Sec. Assist. Social (SAS)                                             4.092.230,00

        Fundo Mun Assist Soc (FMAS)                                 13.710.000,00

       Fdo Perópolis                                                            5.000,00                    17.807.730,00

21 – Sec Serv., Seg. e Obras Pub (SSP)            114.927.976,00               114.927.576,00

23 – Sec. de Meio Ambiente (SMA)                                      2.926.240,00

        Fdo. Mun de Consev. Ambiental (FCA)                          65.000,00                     2.991.240,00

24 – nst. Mun. de Cultura e Esp. (IMCE)                7.155.101,00

        Fdo. Mun. de Esporte (FEsp)                                         400.000,00

        Fdo. Mun. Cultura (FMC)                                                460.000,00

        Fdo. Des. Cult Esp (FDCE)                                   42.000,00                     8.027.101,00

25 – Secretaria de Turismo (Turispetro)                5.598.150,00

        Fdo.Mun. de Turismo (FUNTUR)                        30.000,00                     5.628.150,00

26 – Se. De Def. Civil e Ações Volunt. (SDV)                    3.306.230,00

        Fdo. De Prot. E DC                                                50.000,00                     3.356.230,00

31 – INPAS                                                              121.940.000,00

       Fdo. FASSE                                                             35.000,00                 121.975.000,00

99 – Reserva de Contingência RPPS                                2.000.000,00             2.000.000,00

 

TOTAL                                                                                                             1.144.491.600,00           

 

Comentário 01: não encontramos como incluir as receitas próprias e as despesas das Companhias de Economia Mista, ou seja, os Orçamentos próprios de COMDEP e CPTRans, retiradas as transferências inter-orçamentárias.

Comentário 02: parece-nos que as Despesas previstas para o INPAS – a ser exato o déficit mensal atual de 2,5 milhões/mês – ficarão bem abaixo da realidade.  A Contingência de 2 milhões, quer era geral e foi reservada para o INPAS, parece insuficiente.

Comentário 03: deverá ser lançada luz sobre o Hospital Alcides Carneiro, para a compreensão do conjunto.

Comentário 04: sabemos que a LOA começa a ser alterada no seu Quadro de Detalhamento das Despesas (QDD), desde o mês de janeiro, gerando aos poucos uma LOA bem diversa da original. As contas de 2017, quando disponíveis, deveriam ser obtidas e comparadas com a LOA para 2018. As contas são exigíveis na Câmara a partir de abril, creio.

Comentário 05: deveremos trabalhar muitas ouras questões chave, como: estrutura (organograma), RH, RPPS, política de locações, política de viaturas, serviços concedidos (ônibus, coleta de lixo,...), em paralelo com as tabelas de receitas e despesas da LOA.

Comentário 06: onde e quando foram publicados os Balanços do SEHAC, CPTrans, COMDEP, Fundação de Cultura e ouras Fundações no período de sua existência, empresas de ônibus, de coleta de lixo, permissionárias e concessionárias outras?   

 

03 – COLABORAÇÃO PROF. MANOEL RIBEIRO

 

O que é um Plano Estratégico?

Após a globalização da economia e da informação em tempo real, a definição do futuro das cidades não pode mais prescindir do planejamento estratégico para direcionar as decisões e ações de  governo, que implementarão as transformações sócio-econômicas, e propiciar às administrações municipais melhores e mais democráticos  instrumentos de gestão.

Um apurado desenho de futuro deve focar nas maiores riquezas das cidades: a unidade  político-administrativa e a diversidade intra-regional. O conhecimento acumulado pelos técnicos do poder públicos e profissionais privados, pelas universidades, pelas representações profissionais e empresariais, pelas associações de moradores e outras da sociedade civil devem servir de base  à esse propósito.

A cidade tem sua história mas cada uma de suas regiões tem sua história particular e seu caráter, forjado pelas relações entre as forças vivas de suas comunidades e pelos agentes econômicos de qualquer porte ou setor. O entrelaçamento inter-regional não elimina as suas diferenças.

Os Planos Estratégicos se valem das possibilidades de valorizar essas diferenças, as qualidades intrínsecas de cada uma das regiões de cada município, considerando seus problemas e suas potencialidades, associando de forma inovadora a lógica econômica, baseada na competitividade e na conquista de mercados, com a lógica do cidadão, baseada na valorização da cidadania, da qualidade de vida e da sustentabilidade.

No caso de Petropolis devemos buscar um mergulho profundo no conhecimento disponível de seus Distritos, identificando seus respectivos papeis em um conjunto articulado de territórios, buscando um caminho desejável e possível, dentre os cenários previsíveis.

Qual o “modelo” próprio de cada um desses territórios, quais os motivos de orgulho de seus moradores, quais os pontos fortes de suas respectivas culturas e tradições?

Talvez o aspecto mais importante dessa busca de alternativas, da busca de objetivos peculiares e estratégias adequadas a cada território e integradas numa visão de conjunto, seja a formação dos Conselhos Regionais, que garantirão a ampla participação da sociedade e a capacidade de impulsionar e monitorar a implementação dos diversos elementos do Plano estratégico.

Nesse aspecto, o Banco de Dados Gerenciais Georefeneciados, em construção no âmbito da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, é um instrumento fundamental, por seu caráter aberto e de fácil consulta por qualquer cidadão petropolitano.

O Plano Estratégico envolve a co-responsabilidade do  Governo e da Sociedade na formulação de um pacto social, fruto de uma concepção a partir do amalgama do saber técnico com o saber popular. Esse instrumento deve se basear na promoção de uma ampla reflexão social de modo a definir um futuro e os meios e modos de atingi-lo, constituindo-se num método permanente de elaboração, implementação, monitoramento e avaliação.

Uma vez identificado o objetivo central de desenvolvimento e definidos os planos, programas e projetos prioritários, através do amplo debate, teremos prioridades a serem incluídas no Orçamento Participativo, outro importante instrumento dessa inovadora maneira de se planejar.

As palavras chave desse processo são: participação, projeto de futuro e exequibilidade.

A explicitação e resgate de nossos valores, o adequado direcionamento de nossos investimentos públicos e privados, o estabelecimento de prioridades consensuais serão as sementes que plantaremos hoje, para garantirmos a qualidade desejada dos frutos que colheremos no futuro.

 A sociedade que não sabe para onde se dirige, não chega a lugar algum.

 

Manoel Ribeiro

 

(Ouso pedir permissão ao Prof. Manoel para uma mini-reflexão adicional: um Plano Estratégico objetivo terá que ser composto por linhas mestras, prazos definidos e valores possíveis de custeio e investimento correspondendo às metas. Uma sociedade que se permite torrar 31 milhões/ano com um Legislativo que poderia custar 5 com eficiência quíntupla e desprezar os ensinamentos do IBGE quanto à relação Servidores total/População (algo como 2,5% no caso de Petrópolis, 300.000 hab = 7.500 Servidores total), não pode, em sã consciência, ousar desenhar o seu futuro. Pois os nossos efetivos, caso sejam consolidados por algum órgão – acreditamos que não – montavam a cerca de 11.500 quando conseguimos os dados pela última vez...Em verdade, entregamos o nosso futuro  de mão beijada aos partidos políticos e à inércia dos fiscais da Lei, que destruíram o conceito dos Municípios. Eis o que propomos resgatar aqui, trocando os “planos de governo” doentios por um Plano Estratégico modelar com horizonte a 20 anos  periodicamente reavaliado pelo POVO a cada quatro anos. Fecho com uma pergunta final: já repararam o silêncio sepulcral que cerca a questão dos candidatos avulsos – que muda o nosso deplorável cenário partidário – após o Parecer da PRG e a revelação que o assunto encontra-se acolhido de papel passado por Legislativo e Executivo desde... 1992? Confirma as razões da primazia do “plano de governo” sobre o plano estratégico, e dos partidos sobre o povo).

 

 

Philippe Guédon – Coordenador da FPP




 

 

Área do Município: 795.798 km²
População estimada (2013): 297.888 habitantes (95% alfabetizada)
Densidade Demográfica (2013): 371,85 habitantes/km²
PIB (2011): R$ 9.212.328.000,00 (R$ 30.925,47 per capta)
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (2010): 0,745 (13º dentre 92 no RJ)
Fonte: IBGE  
DADOS MUNICIPAIS EQUIPEWEB DADOS MUNICIPAIS DADOS MUNICIPAIS